]]>
E-mail
Senha
Manter conectado
10 "previsões tecnológicas" para os próximos anos
Gartner fez o mapa da evolução das organizações de TI e dos consumidores de tecnologia até 2022
Por Tiago Bosco em 31/10/2016
Compartilhe no Facebook!Compartilhe no Facebook!



Durante a conferência Gartner Symposium/ITxpo, que acontecu recentemente na Flórida (EUA), os "videntes tecnológicos" da consultora abordaram aquilo que consideram ser as evoluções que se vão observar na esfera das TI no decorrer dos próximos seis anos, tanto ao nível das empresas como dos próprios usuários.

Segundo as previsões, em 2019 20% das marcas vai "matar" os seus aplicativos móveis, pois vão concluir que o investimento aplicado neste canal não está surtindo efeitos esperados.

Os analistas apontam que as empresas vão procurar desenvolver novas e mais rentáveis formas de interagir com o cliente e de conquistar a sua lealdade, deixando cair por terra os seus apps.

Ao longo dos próximos anos, a inovação vai ser mais cara. Os analistas preconizam que por cada dólar investido na concessão de modelos de negócio ou tecnologia inovadora, serão gastos cerca de 7 dólares na execução e lançamento.

Para 2020, as previsões são outras, e indicam que a realidade aumentada vai redesenhar o e-commerce como hoje o conhecemos. Aproximadamente 100 milhões de usuários vão recorrer a tecnologias de realidade aumentada para fazer compras na internet.

Isto será a materialização de um redirecionamento dos negócios em prol da evolução dos comportamentos dos usuários e um aproveitamento, por parte das empresas, da crescente popularidade e difusão das tecnologias de realidade aumentada.

Olhando ainda para o início da próxima década, os analistas acreditam que 30% das pesquisas na internet serão feitas através de tecnologias "voice-first", ou seja, através de comandos vocais. Estas previsões projetam o crescimento da disseminação de tecnologias a que se chama de "assistentes virtuais", como por exemplo a Alexa da Amazon, que realizam pesquisas pelo usuário.

Ainda, é esperado que, em 2020, os algoritmos sejam utilizados para ajudar os trabalhadores a serem mais eficazes nas suas tarefas. Os analistas da Gartner dizem que os algoritmos podem ser usados para "aumentar a inteligência" dos seres humanos.

Além disso, ao longo desse ano, a Internet das Coisas vai aumentar o volume de dados gerados em cerca de 2,3%. Os especialistas consideram que a IoT tem a capacidade para ser uma fonte de dados valiosos para as empresas, ao mesmo tempo que não se apresenta como um "fardo" em termos de armazenamento.

Daqui a quatro anos, é também esperado que os dispositivos de e-fitness, como as pulseiras inteligentes, vão permitir cortes significativos nos gastos com cuidados de saúde. Com a integração destes aparelhos nas empresas e com análise dos dados que eles produzem, será mais fácil prevenir situações de risco e mitigar despesas evitáveis.

Até 2021, é de esperar que 20% de todas as atividades realizadas por qualquer pessoa vão envolver, pelo menos, uma dos gigantes da Tecnologia, que os analistas consideram ser o Google, a Apple, o Facebook, a Amazon, o Baidu, a Alibaba e a Tencent.

Eles acreditam que o crescimento do digital e, consequentemente, da conectividade vai fazer com que estas empresas e os produtos por elas desenvolvidos se integrem cada vez mais nos cotidianos dos usuários - tendo em mente que a sua presença na vivência diária é hoje já bastante expressiva.

Por fim, para o ano 2022, os analistas antecipam que a IoT vai permitir que pessoas e empresas poupem até 900 milhões de dólares em serviços de manutenção, devido a poder preditivo deste novo paradigma tecnológico. Com o recurso sensores e ferramentas de análise de dados, a IoT permite prever situações de irregularidade e atuar antes que estas aconteçam, ou, caso já tenham ocorrido, agir para que a normalização seja o mais ágil e eficiente possível.

Também para esse ano, é previsto que negócios que se apoiem em tecnologias permitam assegurar a integridade e a confidencialidade de pacotes de dados transacionáveis, ou seja, em tecnologias "blockchain", possam a alcançar valores de 10 mil milhões de dólares.

Fonte: Gartner (www.gartner.com)

Compartilhe no Facebook!Compartilhe no Facebook!

Comentário(s)